Como internar um dependente químico?

Muitas famílias que sofrem com problemas de dependência, ficam totalmente perdidas e não sabem como internar um dependente e muito menos como lidar com essa situação.

Alguns preferem fingir que não está acontecendo nada e que aquilo é apenas uma fase e vai passar, no entanto, quando uma dependência química está instalada, o processo é bem mais complicado.

Se você está vivenciando esse tipo de situação, tenha em mente que procurar uma clínica de recuperação masculina é a melhor saída.

Isso porque, o paciente vai contar com o apoio de uma equipe multidisciplinar que o ajudará a vencer o vício de uma maneira segura e eficaz.

Nesse artigo, vamos mostrar os tipos de internação que existem e os procedimentos para realizar cada um deles, e seja qual for o tipo, é a forma mais eficaz de lidar com o abuso de drogas.

Como internar um dependente?

Para você entender como internar um dependente, o primeiro passo é conhecer os tipos de internação que existem e como funciona cada um.

Então, existem 3 tipos de internação, a voluntária, a involuntária e a compulsória, todas amparadas pela Lei 10.216/2001.

Segundo especialistas, o ideal é que parta da própria pessoa a iniciativa de buscar ajuda e tratamento, sendo a internação em uma clínica de recuperação dependentes químicos uma opção para se livrar das drogas ou álcool.

Veja também: Dicas de como se livrar das drogas?

Confira, a seguir, os três tipos de internação:

Internação voluntária

A internação voluntária é quando o dependente tem consciência que está doente e que precisa de ajuda.

Para isso, basta escolher uma clínica de reabilitação, assinar um termo de compromisso afirmando que optou pelo tratamento.

Obviamente que para que ele seja admitido na clínica, deve passar por uma avaliação com um médico credenciado.

No momento da alta, pode ocorrer por determinação médica ou a pedido do paciente.

Internação involuntária

Já como internar um dependente contra a sua vontade, é o que chamamos de internação involuntária, que geralmente é solicitada por um membro da família ou responsável legal em caso de risco à saúde do dependente e de outros.

Esse tipo de internação requer uma autorização médica e o Ministério Público precisa ser informado pela instituição, tanto na entrada quanto no momento da alta.

Nesse caso, a alta só ocorre mediante pedido da família ou responsável legal ou por recomendação médica.

Internação compulsória

Por fim, a internação compulsória, que embora parecida com a internação involuntária, não é a mesma coisa.

Aqui, a internação se dá por ordem judicial, e normalmente ocorre quando o dependente não tem um parente para se responsabilizar.

Com base no laudo médico, o juiz vai avaliar a necessidade de internação e então autorizar.

Para que o paciente receba alta, é necessária outra decisão judicial.

Como funciona a internação de dependentes químicos?

Conhecendo as três formas de como internar um dependente, ainda segundo a Lei 10.216/2001, a indicação para uma internação é no caso de falha em todos os outros tratamentos.

Nesse sentido, o objetivo é não apenas proteger a vida da pessoa e daqueles à sua volta, mas também promover sua reintegração na sociedade.

O tratamento em si varia de acordo com as condições clínicas de cada pessoa, bem como o tipo de droga, o nível de dependência, entre outros fatores.

O mais importante é que o paciente é acompanhado por uma equipe de várias especialidades, capacitadas para lhe dar o suporte necessário ao longo do tratamento.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.